Cabeçalhoo

Volte ao Início Sobre o Diário Sobre as Autoras Encomende um Texto Mande sua Contribuição Image Map

21 de abr de 2013

O Segredo dos Cross - Capítulo 15

 
"A tempestade estava piorando, mas pelo menos agora eles tinham um barco. O barco era pequeno, mas com um pouco de sorte as ondas do mar não iriam afundá-lo. Decidiram seguir em frente, impulsionaram o barco para a água, que já estava inundando a ilha, e Vivian e Lucas começaram a remar e avançar nas ondas do mar, rumo ao desconhecido.

 
A água da chuva começou a se acumular dentro do barco, e Quênia teve de começar a tirar a água do barco, com a ajuda do boné de Lucas. Os Diários ficaram protegidos dentro do agasalho de Quênia, para não molharem.
 
A ilha que foi vista pela ilha do Castelo passou a ficar cada vez maior, e agora já era possível ver algumas casas nela. Por sorte, a ilha parecia ser habitada. Mas ainda estava muito longe, e não dava para ir nadando, também porquê Lucas não sabia nadar.
 
Mas começou a trovejar. E ali não era um bom lugar para se estar durante uma tempestade com raios, já que estavam num grande mar, e a 'coisa' mais alta era o barco, com grandes chances de ele ser atingido. A má-sorte dos três foi comprovada, no momento em que perceberam uma enorme rachadura no fundo do barco, pela qual começou a entrar muita água.
 
O barco acabou por se despedaçar conforme a água foi entrando e, consequentemente, começou a afundar.
 
Os três se apoiaram em restos de madeira e nos remos, e Quênia segurou o agasalho com os Diários e com as chaves dentro, em cima de sua cabeça.
 
Mas eles estavam tão perto de chegar na ilha! Sorte que o local onde o barco afundou não apresentava águas-vivas nem mais nenhum tipo de bicho perigoso. Agora só restava esperar uma luz. No caso, um barco.
 
- Mais que coisa, quando estávamos quase lá, acontece uma coisa dessas. Quer saber de uma coisa? Estou quase desistindo. De que adianta tudo isso? Sofremos para, no final das contas, só descobrirmos um segredinho da nossa família. Nós podemos sobreviver sem sabermos este segredo! Quando chegarmos na ilha - se chegarmos - vamos dar um basta nisso, e levarmos uma vida normal, como a de todo mundo! - exclamou Lucas, enquanto lutava para se apoiar em um pedaço do barco destroçado, com seus pequeninos braços
 
- Este segredo não é somente dos nossos antepassados. Ele é nosso também, e é importante para nós! Como disse Loren no Bilhete, ele não é somente nosso Passado, mas também nosso Futuro. Temos de dar valor aos nossos antepassados e ao que eles fizeram por nós. Há gerações nossa família está tentando desvendar O Segredo, ela deu muito de si para isso, fazendo Diários, Pistas. Não é por uma mera tempestade que iremos desanimar! Lucas, você é um Cross, não pode amarelar agora! Nossa mãe, assim como toda a nossa família, contou com a gente. Confiou na gente. Vamos seguir em frente! -  concluiu Vivian
 
- Sua irmã está certa, Lucas, já passamos por muito, e seus antepassados também. Honre sua Família! - interveio Quênia - Agora, não vamos mais brigar e nem pestanejar, mais do que nunca agora precisamos um do outro!
 
Eles ficaram apoiados nos destroços do barco com algumas horas, até que, da ilha, viu-se partir um barco, bem maior que o que tinha acabado de afundar.
 
Os três começaram a balançar os braços, e o barco, se dando conta dos três em alto-mar, mudou sua direção para a deles. Ao chegar perto deles, jogaram do barco uma corda, pela qual Quênia e os dois irmãos subiram.
 
Cansados, se jogaram ao chão do barco, comemorando terem sobrevivido da tempestade.
 
- Vocês estão bem? De onde vieram? - perguntou um rapaz, tripulante do barco
 
-Nós viemos de... - disse Lucas, ao ser reprimido pelo olhar de Vivian, que mostrava que não era para falar do Castelo - Viemos de uma ilha distante, estamos bem sim, nosso barco afundou.
 
- Por favor, poderiam nos levar até aquela ilha, de onde este barco veio? - pediu Vivian
 
- Claro. Passamos lá novamente para deixar vocês.
 
 
O barco partiu em direção da ilha, a por sorte a tempestade já tinha melhorado.
 
Até que eles finalmente chegaram no porto da ilha, que se chamava Berca. As pessoas da ilha começaram a olhar para os três com expressão estarrecida, já que não é todo dia que se vê três pessoas, encharcadas e com um agasalho cheio de coisas dentro, chegando. Ainda mais porque Lucas começou a perguntar: 
'O quê é aquilo que está se mexendo, com pessoas dentro? E aquilo, que aquela criança está segurando?'
E Quênia, que um dia já esteve fora do Castelo e já conhecia todas aquelas coisas que Lucas e Vivian não conheciam, por nunca terem saído do Castelo, respondeu:
'São coisas materiais, coisas que de fato não são importantes. Coisas que é melhor você não conhecer. Coisas que nos iludem e que nos impedem de enxergar o que realmente é necessário e que realmente deveria ser nosso: A Felicidade.'"
 
 
 
 


Nenhum comentário:

Postar um comentário